Alumni Story: Estudo da cibersegurança a partir do zero, por Gabriel Ayela

Gabriel Ayela

Gabriel Ayela juntou-se ao bootcamp da cibersegurança em novembro de 2020. O programa tem a duração de 12 semanas em tempo integral. Quando o entrevistamos, era meados de janeiro e ele já tinha feito mais de metade do bootcamp. Gabriel é francês, vive na Alemanha e trabalha há 10 anos na indústria musical: contratar DJs, gerir eventos e concertos, reservas, networking entre músicos... faziam parte da sua vida diária. Mas sempre foi apaixonado pela tecnologia. Quando era miúdo, conseguiu o seu primeiro computador e a primeira coisa que fez foi abri-lo para ver o que estava lá dentro e reconstruí-lo novamente.

Devido à pandemia, o seu trabalho no sector da música estava em perigo, pelo que decidiu fazer uma mudança radical. Um amigo seu estudou na Ironhack e a recomendou. Olhando para os programas, ele decidiu aderir à Cibersegurança: porquê este? Gabriel sofreu um ataque cibernético há algum tempo, alguém acedeu às suas contas e desde então perguntou-se porquê e como isto poderia ter acontecido - estava curioso em compreender o que está por detrás de um ataque cibernético. Apesar de estar interessado na codificação, não quis especializar-se em nenhuma linguagem, mas sim compreender as implicações de segurança para uma empresa do ponto de vista técnico.

Primeiros dias no bootcamp de cibersegurança da Ironhack

No início, "Eu estava um pouco assustado, não sabia exatamente o que esperar". Antes do início das aulas, há um pré-trabalho obrigatório de 20 horas para ser concluídos que, segundo Gabriel, “te deixa realmente pronto para o programa. Senti-me à vontade com os colegas e instrutores muito rápido, porque eles estão lá para vos apoiar, o que cria uma comunidade realmente interativa e dinâmica". Em relação à falta de experiência anterior, ele diz que "não é uma barreira. Estou interessado e apaixonado. Mesmo que a aula termine às 18 horas, não posso parar, estou sempre a verificar novas ferramentas, é um tema interminável".

Nem online, nem pessoalmente ... Formato híbrido!

O formato deste programa é híbrido, o que significa que é ensinado online e auto-orientado, mas durante duas horas da manhã e duas horas da tarde há uma pessoa (o facilitador) que está lá para responder a perguntas e verificar se todos os exercícios diários estão completos. Graças a esta metodologia, todos os estudantes aprendem ao mesmo tempo e combinam a aprendizagem online com sessões ao vivo com uma pessoa disponível para eles. Durante o resto do dia, os colegas partilham as suas perguntas e melhores práticas no canal Slack, onde eles podem fazer chamadas e trabalhar em conjunto no que for preciso.

Este formato é “perfeito para cibersegurança. Precisa de tempo sozinho para trabalhar nos seus laboratórios e desafios, mas nunca se sente só. Utilizamos o canal e parece que estamos em aula. A carga de trabalho é boa, é realmente intensa e é preciso adaptar-se até ter a sua rotina de trabalho". Gabriel diz que está a acompanhar tudo, mas agora o programa está a ficar um pouco mais difícil, uma vez que é um programa intensivo.

Qual é o conteúdo do bootcamp?

A plataforma combina vídeos, estudos de caso e questionários que permitem aos estudantes colocarem-se em situações da vida real. Recentemente, eles tiveram uma introdução ao Javascript, mas há codificação envolvida. Concentraram-se nas redes, na forma de as construir e na forma de responder e reagir quando confrontados com um ataque cibernético. No final do programa, têm de apresentar um projeto de grupo feito em equipas de dois. Este projeto é realizado durante as 12 semanas do bootcamp. De duas em duas semanas, fazem uma apresentação de 30 minutos ao resto da turma para explicar no que têm estado a trabalhar. O tema que Gabriel escolheu é "Transportes públicos e segurança cibernética". A cibersegurança é um tema realmente amplo, por isso há diferentes papéis e cada semana concentram-se num desses papéis. Gabriel sente que "é preciso trabalhar por conta própria, ser realmente autónomo e enfrentar mais desafios" à medida que o programa se aprofunda no seu conteúdo. De acordo com a sua experiência, trabalhar assim é "realmente gratificante, é o estudante que torna a aprendizagem possível".

Estás a gostar deste artigo? Aprende mais sobre Cybersecurity!

Dá o primeiro passo em tech e descobre mais sobre o nosso bootcamp de Cybersecurity

Por que segurança cibernética na Ironhack?

Quando pensava em fazer esta mudança, Gabriel procurou outras opções, mas a maioria delas está nos EUA ou não tem um acompanhamento e ligação real com os professores. "Vi que na Ironhack, os instrutores e facilitadores estão genuinamente interessados em ajudar-nos, em saber quem somos e em apoiar-nos". Ele também valoriza o contacto com Carreiras, já tinha um primeiro contacto com a equipa e sentiu que a Ironhack "tem a grande vantagem de estar concentrado em obter um emprego. Estes são elementos únicos que tornam este programa diferente". Ele tem uma última dica para aqueles que estão a pensar em juntar-se à Ironhack: "sim, será intensivo, mas sem medo! É tão excitante que se esquece as dificuldades".  

Se também está a pensar em aderir a um bootcamp de segurança cibernética, mas tem dúvidas, não hesite em contactar um dos nossos gestores de admissões e fazer quaisquer perguntas que possa ter! Teremos todo o prazer em ouvi-lo!

Junta-te à Ironhack

Pronto para participar?

Siga os passos de mais de 8,000 mil profissionais e empreendedores que lançaram as suas carreiras na indústria tecnológica com bootcamps Ironhack.

Cursos

O que queres estudar?

Campus

Onde queres estudar?

Artigos relacionados com Cybersecurity

Inscreve-te na nossa newsletter e mantém-te a par de todas as nossas novidades e eventos!
Por favor, escreve o teu nome
Por favor escreva seu sobrenome
O endereço de email não é valido. Por favor, tenta novamente.